Sandro Almeida representa heróis e vilões da política gonçalense

Sandro Almeida representa heróis e vilões da política gonçalense

Vinte e sete parlamentares ocupam a Câmara de Vereadores de São Gonçalo. Menos de dez apresentam uma atuação eficiente em defesa dos interesses da população (O São Gonçalo). Sandro Almeida está entre eles. Ironicamente e para tristeza política da cidade, Sandro faz parte de um grupo ainda menor: de vereadores que tiveram a cassação do mandato determinada pela Justiça Eleitoral. Continue lendo “Sandro Almeida representa heróis e vilões da política gonçalense”

Perdemos o Rio de Janeiro para a violência por egoísmo

Perdemos o Rio de Janeiro para a violência por egoísmo

O Rio de Janeiro caiu. É como dizem no jargão militar diante da perda de um território para o inimigo. O controle da lei e da ordem está nas mãos de bandidos. Governantes do Estado roubaram milhões de reais e gastaram em artigos de luxo, viagens internacionais e joias para as esposas e não cuidaram da segurança estadual. A sociedade fluminense, com suas ilhas de riqueza, não se preocupa em expandir o desenvolvimento social, nem com os fuzis saindo das favelas e batendo à sua porta. Continue lendo “Perdemos o Rio de Janeiro para a violência por egoísmo”

Lições de Casa-grande & senzala para o Brasil atual

Lições de Casa-grande & senzala para o Brasil atual

A frase “A casa-grande surta quando a senzala vira médica” surgiu em 2016 com Suzane da Silva, jovem negra estudante de Medicina que sofreu ataques racistas na internet. E viralizou no ano seguinte a partir da postagem no Facebook de Bruna Sena, primeira colocada no vestibular de Medicina da USP de Ribeirão Preto e negra também. Casa-grande & senzala, obra-prima de Gilberto Freyre publicada em 1933, ajuda a entender o país onde vivemos e o protesto dessas estudantes. Continue lendo “Lições de Casa-grande & senzala para o Brasil atual”