Começou a falsidade outra vez com a campanha eleitoral. Sou mal humorado mesmo (ignoraram este traço na minha biografia), não gosto do que vejo. As promessas dos homens de quatro anos atrás não foram cumpridas e o povo humilde da minha cidade continua sofrendo.

O gonçalense paga caro pelos serviços mal prestados e depois acusa a si mesmo pela bagunça da cidade. Fico triste. Tem que levantar a cabeça e escolher direito. Os culpados são aqueles que se aproveitam da fraqueza popular.

O prefeito que está aí é um mentiroso grave. Mente até dando “bom dia” e quer ser prefeito de novo. Não pode eleger gente assim.

Houve um doutor, o Charles, que ao invés de curar infestou minha cidade com incompetência e retrocesso político-econômico, as doenças mais mortais que já vi nos meus 829 anos de existência. Dilson Drumond e José Luiz Nanci, que tanto quanto Charles fazem questão de dizer que são doutores, colecionam cada um cinco mandatos despercebidos na Câmara de Vereadores e se tornaram parte da enfermidade municipal.

Viram como sou mal humorado? Na época em que vivi tínhamos no máximo uma refeição por dia, mexe com a personalidade. Chega de usar a atuação profissional e sua fama para a conquista de votos sem qualquer conteúdo político. Isto se aplica ao forasteiro com sobrenome famoso, Brizola Neto, aliado da maior inimiga que já tive desde que essas terras receberam meu nome, no século 16. Minha cidade é um tesouro, digo pra vocês, por isso ela atrai aventureiros ambiciosos que ignoram completamente suas necessidades naturais.

Daqui do céu observo somente uma mulher entre nove candidatos, isso não é bom. A voz da distribuição de oportunidades para promover a igualdade social fala alto em Dayse Oliveira. Se buscasse mais amigos que inimigos, mais realidade e menos utopia, poderia ser a prefeita que minha cidade merece.

Ao candidato Dejorge Patrício peço que confirme se possui os conhecimentos básicos necessários para governar, visto que frequentava o colégio “só para comer merenda”. E entenda que facilitar a formalização de templos e igrejas deveria ser a última preocupação em um município com os piores índices educacionais do Estado.

Diego São Paio é um bom vereador, tem intimidade com a tecnologia e reuniu ao seu redor um time motivado. O mais jovem dos candidatos, ainda não provou ter maturidade suficiente para carregar a cidade nas costas nos frequentes momentos de crise.

A atuação de Marlos Costa como vereador também agrada. Para governar bem, carece do apoio de mais pessoas e ideias inovadoras. Além de mal humorado, o Santo é desconfiado. Os seres humanos possuem defeitos, mas Marlos é o único candidato que praticamente omite os seus, o que é assustador.

Em Arriconha, localidade portuguesa onde nasci, o mestre era valorizado por sua sabedoria. O Prof. Josemar é um gonçalense dedicado. Sabendo respeitar a cidade nas pequenas coisas, como garantir o fim da poluição visual em postes, viadutos e passarelas, faria grandes projetos.

Publicado por Mário Lima Jr.

Gonçalense, escrevo sobre política e sociedade em defesa da essência humana.

Participe da discussão

1 comentário

  1. Realmente caro Mario, essa eleição está sendo uma das piores em questão de candidatos. Acho que o único ponto alto está sendo menos poluição por redução dos papéis, carros de som mais discretos e menos material pendurado pela cidade.

Deixe um comentário

Deixe uma resposta