É cedo para pensar em eleições

Nas últimas semanas a imprensa estadual destacou, frequentemente, a movimentação política visando às eleições municipais de 2016. Tanto quanto a imprensa, o povo de São Gonçalo desistiu de lutar pelo presente, quando suportamos a gestão desgraçada do prefeito Neilton Mulim, que governará a cidade até o fim do ano que vem.

Desistimos de cobrar explicações sobre as inúmeras promessas não cumpridas, como a tão necessária companhia municipal de limpeza urbana, assim, Mulim aproveita seu momento mais confortável no poder, livre, leve e solto. Nossa fraqueza permitiu, inclusive, a inimaginável afronta: Neilton Mulim quer se reeleger e para conseguir dispara dezenas de novas promessas a cada aparição pública, além de inaugurar com pompa obras que nem começaram.

Os futuros candidatos, e demais atores da desejada renovação política, elaboram suas propostas para as próximas eleições e formam alianças, e a imprensa tem a obrigação de noticiar estes fatos. Contudo, mesmo sujeitos ao desgaste público, ambos não devem relevar a inutilidade do atual governo, que não apresentou nada de valor.

A Educação, base da esperança de desenvolvimento de qualquer cidade, nunca esteve tão mal em São Gonçalo. O dinheiro suado do contribuinte estraga dentro das maletas (adquiridas sem licitação) do programa Magia de Ler, pertencentes às crianças pobres sem hábito de leitura. Intelectuais importantes consideram esta geração de gonçalenses perdida, como a geração dos seus pais, atualmente fútil e desempregada ou sujeita à informalidade. Mas certamente algo pode ser feito por essas crianças, como clubes de leitura improvisados nas escolas, em caráter de emergência, e apenas discutir as eleições de 2016 não ajudará.

Se nós, cidadãos, honrássemos nosso voto, Mulim, cujo governo é um fiasco, não ousaria sequer pensar em reeleição. O orçamento doméstico continua apertado, a rua, esburacada, o poste, sem luz, o esgoto corre a céu aberto, o lixo domina as calçadas e nós permanecemos parados nos bares, como estátuas sorrindo. É difícil lidar com mulas empacadas, mas pressão popular, com estudo e construção de soluções, conduz políticos preguiçosos ao trabalho. As crianças gonçalenses que arrancam páginas de livros para fazer aviões de papel não contam com o privilégio de aguardar o próximo prefeito.

Publicado por Mário Lima Jr.

Gonçalense, escrevo sobre política e sociedade em defesa da essência humana.

Deixe um comentário

Deixe uma resposta