Recomendações para as Eleições 2014

Sabemos que a política do país, que geralmente é sinônimo de corrupção, tem total influência sobre a vida cotidiana. “Até o valor do pão que compramos na padaria é determinado pela política”, dizem alguns. Discutimos na recepção do prédio, ao encontrar um amigo na rua e até nos bares sobre política, não somos alienados. Mas, por preguiça ou mau hábito, evitamos de todas as formas o trabalho de escolher bem nossos candidatos.

Votar dá trabalho, mental e físico, e não me refiro ao esforço de ir até a zona eleitoral e apertar os botões na urna. Diante de discursos tão parecidos, recheados de promessas utópicas, buscar informações sobre a história política e profissional do candidato, bem como conhecer a fundo seu programa de governo e avaliar a viabilidade das propostas que contém é fundamental para concluir se ele merece ou não seu voto. Se o candidato não apresentou publicamente suas ideias, descarte-o sem pensar. Afinal, nossa obrigação não acaba após o voto, continua com a fiscalização do exercício do mandato pois também somos responsáveis pelo desempenho deles depois de eleitos.

No próximo domingo, 5 de outubro de 2014, mais uma vez escolheremos nossos representantes estaduais e federais. Preparar-se para esse momento (e para o dia 26/10/2014, se houver segundo turno), pode resultar em pão barato na padaria e maiores benefícios. Assim, compartilho também as recomendações abaixo, publicadas pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que são do interesse de todos os eleitores, independentemente do credo ou religião:

  1. Votar é um exercício importante de cidadania; por isso, não deixe de participar das eleições. Seu voto contribui para definir a vida política de nosso país.
  2. Verifique se os candidatos estão comprometidos com a superação da pobreza, com a educação, saúde, moradia, saneamento básico, respeito à vida e ao meio ambiente.
  3. Veja se seus candidatos estão comprometidos com a justiça, segurança, combate à violência, dignidade da pessoa, respeito pleno pela vida humana desde a sua concepção até a morte natural.
  4. Observe se os candidatos representam o interesse apenas de seu grupo ou partido e se pretendem promover políticas que beneficiam a todos. O bom governante governa para todos.
  5. Dê o seu voto apenas a candidatos com “ficha limpa”. O homem público deve ter honestidade (idoneidade moral).
  6. Fique atento à prática de corrupção eleitoral, ao abuso de poder econômico, à compra de votos. Voto não é mercadoria.
  7. Procure conhecer os candidatos, sua conduta, suas ideias e seus partidos. Voto não é troca de favores.
  8. Vote em candidatos que respeitem a liberdade religiosa e de consciência, garantindo o ensino religioso confessional e plural.
  9. Acompanhe os políticos depois das eleições, para cobrar deles o cumprimento das promessas de campanha e apoiar suas ações políticas e administrativas.

“Vote certo. Vote bem. Somos responsáveis pelo futuro do nosso país”.

Publicado por Mário Lima Jr.

Gonçalense, escrevo sobre política e sociedade em defesa da essência humana.

Participe da discussão

2 comentários

  1. Excelente texto!

    Nós, como brasileiros, deveríamos “começar” a votar no momento da candidatura deles.
    Pesquisando, buscando informações das propostas, verificando acusações, etc.

    Faremos todas nossa parte por um Brasil melhor para todos, pois nossos filhos e netos herdaram esse lugar feito por nossas escolhas…

    1. Obrigado, Wallacy! Percebi que os mais pobres são os que dão menos importância ao voto. Mas uma nova geração, que tem bastante acesso a informação, está crescendo e em breve vai votar.

Deixe um comentário

Deixe uma resposta