Crie um negócio social em 2015

Que tal começar o ano de 2015 tirando da gaveta a antiga ideia de montar uma empresa? A burocracia nacional não é mais obstáculo, pois é cada vez mais simples registrar um negócio no Brasil. Para empreendedores individuais (ou com um funcionário) que faturam até R$ 60 mil por ano, o registro é feito inteiramente pela Internet, em poucos minutos.

E se, ao mesmo tempo, você colaborasse para o desenvolvimento de São Gonçalo, enquanto realiza o sonho de ser empresário? Através de um negócio social é possível. Não se trata de caridade, mas de unir seus ideais de independência financeira e justiça social ou a vontade de ser seu próprio chefe e fazer a diferença no mundo. E não é preciso muita preparação, nem dinheiro, para começar.

Em 2006, Muhammad Yunus, criador do conceito do negócio social, ganhou o prêmio Nobel da Paz como reconhecimento pelo trabalho que começou emprestando centavos de dólar aos pobres de Bangladesh. À primeira vista parece que emprestar pessoalmente centavos de dólar aos necessitados não levará a lugar nenhum, mas hoje Yunus é presidente do Grameen Bank, que oferece microcrédito para milhões de famílias que estão conseguindo vencer a pobreza.

Consumidores modernos preferem as empresas que agem como o Grameen Bank, sem prejudicar o meio ambiente, contribuindo para o desenvolvimento das comunidades onde estão instaladas. São Gonçalo carece de empresas assim; se você pretende montar uma empresa com atuação na cidade, mesmo que ainda não tenha definido o ramo de operação, certamente deseja construir uma marca sólida apoiada em clientes fiéis, então siga os 7 princípios abaixo e transforme sua ideia em negócio social:

  1. O objetivo do negócio é a superação da pobreza ou de um ou mais problemas em áreas como educação, saúde, acesso à tecnologia, meio ambiente etc. que ameaçam as pessoas e a sociedade – e não a maximização dos lucros.
  2. A empresa alcançará a sustentabilidade econômica e financeira.
  3. Os investidores recebem de volta apenas o montante investido. Não se paga nenhum dividendo além do retorno do investimento inicial.
  4. Quando o montante do investimento é recuperado, o lucro fica com a empresa para cobrir expansões e melhorias.
  5. A empresa será ambientalmente consciente.
  6. A força de trabalho recebe salários de mercado e desfruta condições de trabalho melhores que as usuais.
  7. Faça-o com alegria!

Publicado por Mário Lima Jr.

Gonçalense, escrevo sobre política e sociedade em defesa da essência humana.

Deixe um comentário

Deixe uma resposta