Entre a inércia e a podridão política

Faltando 15 meses para as eleições municipais de 2016, o povo de São Gonçalo é refém da inércia da Prefeitura e da política ambiciosa em curso na Câmara de Vereadores. Ambas se esqueceram das necessidades da população e cobiçam apenas o poder.

O objetivo é manter ou conquistar o mais alto cargo do Poder Executivo Municipal e gerir durante o mandato um orçamento anual de R$ 1,2 bilhão. Para vencer, governo e oposição empreendem a política mais suja que existe no mundo, aquela que não reconhece os próprios erros, que omite informações, onde as consequências de cada ato ou pronunciamento são meticulosamente avaliadas tendo a reação da opinião pública como preocupação principal, em vez dos benefícios para a sociedade. Nos dois lados os bons homens se calaram e consequentemente se anularam. Restaram somente interesses políticos gananciosos e os peões deste jogo de xadrez, os primeiros perdedores, somos nós, cidadãos gonçalenses.

Prefeitura e Câmara jogam hoje em times adversários, são inimigas. A tão pregada “harmonia entre os Poderes” é uma utopia e ninguém se interessa em buscá-la. Trocaram o trabalho honesto pela briga política burra, enxergando apenas elas mesmas, e ignoram seu papel básico de atendimento à população.

Enquanto disputam entre si, falta ao Executivo e ao Legislativo um canal eficiente de comunicação com as pessoas. O sistema online da Ouvidoria da Prefeitura é precário, confuso e não responde aos chamados abertos. Quanto à Câmara, o email de contato que aparece no seu ridículo site é inválido e ninguém atende seu telefone.

Os gonçalenses escolhem mal seus representantes. Aceitam cesta básica, nivelamento de rua e emprego temporário em troca do voto. Mas o fazem por necessidade, pois ganham pouco, não suportam mais pisar na lama e convivem com o desemprego. E ainda existem os eleitores que, apesar das dificuldades, não trocam seu voto, mas, profundamente decepcionados, se contentam com o candidato menos pior ou anulam o próprio voto. O povo deve parar de culpar a si mesmo. Se há um culpado pela inércia da Prefeitura e pela podridão política na Câmara, são os mentirosos que lá estão e se dizem defensores do povo.

Publicado por Mário Lima Jr.

Gonçalense, escrevo sobre política e sociedade em defesa da essência humana.

Deixe um comentário

Deixe uma resposta