Ironias do transporte público gonçalense

São Gonçalo não tem barca, trem, metrô nem ciclovia. A cidade conta com ônibus sujos, quentes e apertados como único meio de transporte coletivo dentro do território. Vivem nele mais de 1 milhão de pessoas, a segunda maior população do Estado do Rio de Janeiro.

Começa em São Gonçalo o segundo maior deslocamento urbano do Brasil: aproximadamente 120 mil pessoas saem da cidade todos os dias com destino à Niterói (IBGE). A maioria dos passageiros, presa nos engarrafamentos, derrete nos veículos lotados.

Há 20 dias o valor da passagem foi reajustado, tornando a viagem mais desagradável. A tarifa municipal aumentou 14,5% – de R$ 3,45 para R$ 3,95 – o maior aumento desde 2012, quando o desconforto no serviço público de transporte terrestre foi formalizado entre o Município, mal representado pela ex-prefeita Aparecida Panisset, e o Consórcio São Gonçalo de Transportes, formado por 9 empresas de ônibus.

Ao jornal A tribuna, o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Rio (Setrerj) apresentou como uma das justificativas para o aumento o fato de que em 2017 “as gratuidades dos estudantes e dos portadores de necessidades especiais serão suportadas pelo Consórcio São Gonçalo, já estando incluídas no valor da tarifa definida”. Ora, se estão incluídas no valor da tarifa, os passageiros suportarão as gratuidades, não o consórcio, configurando outro aumento sem qualquer contrapartida real para o cidadão.

Além da redução do valor da passagem, principal reivindicação dos movimentos sociais, a instalação de ar-condicionado na frota é urgente. Os usuários do serviço têm o direito de viajar confortavelmente, conforme consta do item 10.1 do contrato de concessão. Absolutamente nenhum ônibus municipal possui ar-condicionado. Durante o verão esta falta implica na quebra inevitável do item 10.1, entretanto, o Consórcio São Gonçalo segue impune e satisfeito.

O valor da concessão por 25 anos foi estimado pelas partes interessadas em quase 1,5 bilhão de reais usando uma taxa de 8% ao ano de aumento da tarifa. Como a cada reajuste a tarifa aumentou em média 11,05%, a exploração do serviço gera para os empresários uma receita operacional mais importante do que esperavam. A variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) no mesmo período foi de 8,02%. Satisfação prorrogada automaticamente por outros 25 anos, totalizando 50 anos de retorno econômico garantido aos empresários, conforme Panisset fez questão de determinar no item 3.2 do contrato.

As empresas Auto Ônibus Alcântara S/A, Auto Ônibus Asa Branca Gonçalense Ltda., Expresso Tanguá Ltda., Icaraí Auto Transportes S/A (Líder), Transp. e Turismo Rosana Ltda., Viação Estrela S/A, Viação Galo Branco S/A, Viação Mauá S/A e Viação Rio Ouro Ltda., integrantes do Consórcio São Gonçalo, em vez de servir à população, enriquecem porque o povo do município atravessa a roleta.

5 comentários em “Ironias do transporte público gonçalense

    1. Soube pelo jornal A Tribuna que o prefeito Nanci foi pedir a instalação de ar-condicionados nos ônibus. O que deveria ser uma exigência, é quase humilhação.

  1. O Mais engraçado é que tenho um passe ESPECIAL INTERMUNICIPAL,mas segundo a PREFEITURA DE SÃO GONÇALO,só posso usá-lo em linhas municipais,ok,no ônibus que vai para o ALCÂNTARA no meu bairro,não posso usá-lo..E aí,como é que fica?

  2. Há no Brasil o problema de termos dois ingredientes que produzem uma Catástrofe Social de longo prazo: uma classe empresarial “malandra” em meio a uma população carente de consciência sócio-política no cerne da cultura de costumes. Essa sopa também é o nascedouro dessa cultura política fracassada que os Agentes representam. Algo precisa mudar…

Deixe uma resposta