“Arruma alguém pra comprar meu voto aí!”, gritava durante a semana um mototaxista no Vila Três, em São Gonçalo. É a maior burrice de um eleitor contra o próprio bem-estar.

Assumo o desafio de publicar um artigo na véspera das Eleições 2016, quando todos estão interessados no dia seguinte. Amanhã no fim da tarde a imprensa estará enlouquecida, eu também, buscando informações e anunciando a nova configuração política municipal (onde não houver segundo turno).

Hoje é importantíssimo lembrar aos eleitores gonçalenses pelo menos um motivo claro para não votar em Neilton Mulim, atual prefeito buscando a reeleição: no governo dele os estudantes da rede municipal são humilhados. Falta merenda nas creches e escolas e muitos perdem a única refeição do dia. Falta uniforme e frequentam a escola mal vestidos. Ganharam uma maleta de livros comprados sem licitação mas não recebem educação de qualidade. Mal sabem ler a capa dos livros, sempre fechados. Frequentemente saem cedo por falta de professores. Quando um governo desce ao nível de atacar crianças e adolescentes, ele precisa ser terminado definitivamente nas urnas.

Cada um de nós troca seu voto por uma promessa. As ambições, no entanto, são bem diferentes. Começam nos R$ 50 e no vale-combustível, passam pelas promessas de infraestrutura na sua rua e vão até um programa de governo progressista factível, projeto raramente apresentado pelos candidatos.

Uma das razões que impedem as pessoas de votar com consciência é acreditar que todo político é babaca, corrupto ou safado. Assim pensa o mototaxista do Vila Três que oferecia seu voto aos gritos deitado de costas na grama da praça, com a barriga à mostra, ao lado dos cachorros. Ele perdeu a fé na Política e deixou de acreditar em si mesmo.

Se existem brasileiros honestos, com o devido engajamento popular a honestidade será fortalecida nos Poderes Executivo e Legislativo. Engajamento que não termina ao apertar a tecla verde. A cidadania vai além da urna, ela se estende em fiscalização e cobrança do governo eleito, ainda que você tenha exercido o direito de anular seu voto.

Outro mito eleitoral é a crença de que candidatos honestos obrigatoriamente serão corrompidos ou mortos depois de eleitos. A política brasileira, infelizmente, não é um meio totalmente seguro. Mas nas Prefeituras e Câmaras do país, inclusive em São Gonçalo, há mandatos íntegros e bem sucedidos.

Publicado por Mário Lima Jr.

Gonçalense, escrevo sobre política e sociedade em defesa da essência humana.

Deixe um comentário

Deixe uma resposta