O ano quase perdido

Quando um governo repetidamente ofende e prejudica crianças e adolescentes que deveria desenvolver sob sua proteção, atinge o nível mais baixo possível da infâmia. Em 2015, em São Gonçalo, o governo Mulim serviu como abrigo para ladrões que enriqueceram ilicitamente, duas vezes, usando as crianças pobres da cidade. Como cafetões explorando suas putas por dinheiro, negociaram livros e merenda escolar, em vez de sexo. Apesar do domínio de um governo tão imoral, graças às iniciativas populares o ano não foi inteiramente perdido.

Entre outras calamidades, Mulim corrompeu as finanças municipais (a administração pública tem rombos milionários), humilhou o funcionalismo público (inchou seus quadros com cargos comissionados politiqueiros) e emporcalhou a cidade, que sufoca em meio ao lixo fedorento não recolhido (prática semestral para firmar, sem licitação, contratos emergenciais de coleta caríssimos).

Mas o pior que aconteceu em 2015 foi o martírio dos estudantes da rede municipal de ensino. Desamparados intelectualmente, muitos analfabetos aos 9 anos de idade, eles foram frequentemente dispensados por falta de merenda ou professor. Então caminharam famintos pelas ruas durante o horário escolar, carregando uma maleta com livros superfaturados – adquiridos sem licitação pelo programa Magia de Ler – sem ao menos saber juntar palavras.

Mesmo submetida à ganância de seres doentes que não deveriam ocupar a Prefeitura, através de suas ações a população impediu que São Gonçalo regredisse enquanto município politicamente independente, que busca sua afirmação cultural. Eventos independentes dedicados à arte local continuam existindo, como o Uma Noite na Taverna, e inúmeros outros movimentos se fortaleceram, como o Free Art e o Diário da Poesia. A luta pela recuperação da Fazenda Colubandê, liderada por moradores das redondezas, também se revigorou em 2015 e mostrou aos governos municipal e estadual que o gonçalense ama seu patrimônio ao ponto de acordar cedo aos domingos, varrer e recolher o lixo do espaço.

O governo Mulim perdeu a cabeça. Com o apoio de vereadores ensandecidos que deveriam fiscalizar e limitar os danos causados pelo prefeito, ele faz o que quer com a cidade. Se pudesse, alienaria a alma de cada cidadão porque o orçamento anual da Prefeitura de mais de R$ 1 bilhão é pouco para seus desperdícios. O cidadão modesto, porém, não se entrega. Ao descer o Morro da Caixa D’água de bicicleta, assoviando às seis da manhã, para vender panos de prato no sinal de trânsito em Alcântara, ele inunda São Gonçalo de orgulho e honestidade, mesmo sem saber. Que ele continue lutando em 2016, ano de eleições municipais.

Publicado por Mário Lima Jr.

Gonçalense, escrevo sobre política e sociedade em defesa da essência humana.

Participe da discussão

2 comentários

  1. Quando trabalho nas residências milionárias desses líderes políticos quer seja ele Municipal, Estadual ou Federal, percebo e tenho a convicção que eles nos tem como gados mal tratados vivendo em um curral. Os quais não trata bem, dá qualquer lixo pra comer, se morrer enterra, vacina vencida e fica longe pra não sentir o fedor. Somos apenas mais uma forma de arrecadar dinheiro !

    1. Ainda é forte a velha exploração do homem pelo homem no Brasil. Enquanto nos revoltarmos com ela, há esperança de dias melhores.

Deixe um comentário

Deixe uma resposta