A importância da compaixão para mudar o Brasil

A importância da compaixão para mudar o Brasil

Acordar, pegar o celular e compartilhar uma frase irônica pra debochar dos amigos “coxinhas” ou “comunistas”. Geralmente acompanha a frase uma foto ou vídeo completamente fora de contexto. Mais da metade da população está presente nas redes sociais e pode ser resumida assim a manifestação política mais frequente entre os brasileiros. É pouco pra mudar nosso fracasso social. O Brasil melhora quando um cidadão do país para de pensar em si mesmo, abandona a ironia barata e reconhece que nenhuma criança brasileira deve continuar na miséria, explorada sexualmente nas comunidades ribeirinhas nem drogada com solvente nas ruas das capitais.

Logo aqui, onde milhões de negros e índios foram massacrados por três séculos, o sentido de urgência para eliminar a pobreza não é popular. Pelo contrário: cotas raciais e programas assistenciais são covardemente combatidos por uma parcela da população e os direitos dos povos indígenas e quilombolas são ameaçados pelo Governo Temer. Práticas tão absurdas, e cruéis, quanto restringir o uso da água para combater um incêndio.

Agente de transformação universal, a força da opinião pública nacional é prejudicada pela secular falta de investimento na formação do indivíduo. Como então começar a mudar o Brasil agora, embora assaltado por Temer, se não for pela compaixão e por sua sede de justiça? É esse sentimento que move qualquer pessoa dedicada ao Brasil dentro dos movimentos sociais, coletivos e organizações não governamentais (e no Congresso Federal, claro).

Há um engasgo entre os brasileiros que impede a organização do pensamento. Um ódio contra jovens criminosos ao invés da vontade legítima de corrigir seu rumo. Em vez da reflexão e mea-culpa enquanto sociedade, o desejo de punir. Há uma angústia no ar, sofremos juntos mas buscamos soluções sozinhos, e também um clima denso e opressor de “cada um por si” refletido nas pesquisas de intenção de voto para Presidente da República, em outubro. Monstros pregadores da violência estão entre os mais votados.

Em dias tão negros – brasileiros voltaram a passar fome – lembrar que somos uma espécie capaz de amar equilibra uma balança cujo contrapeso é vasto: desemprego, racismo, exclusão. Oferecer abrigo ao morador de rua, um prato de comida ao faminto e até uma publicação de solidariedade no Facebook são mais dignos do que manipular o vídeo de uma entrevista com Luciana Genro e publicá-lo na Internet com o intuito de ridicularizar a Esquerda.

Nosso maior inimigo não é a corrupção, mas a vida nacional ter se desenvolvido em torno da pobreza e da violência e se habituado a elas ao ponto de desejarmos “bom dia” pelo WhatsApp, junto com balões e flores piscando, e logo em seguida curtirmos mensagens implorando intervenção militar no Twitter. A compaixão encerra o período de falhas seguidas da razão brasileira e derruba a ideia de antes ele, o pobre, do que eu.

Por que ainda aceitamos a existência de ricos e pobres?

No futuro não haverá pobreza

Aceitamos a existência de ricos e pobres por egoísmo. Uma quantidade infame de pessoas quer enriquecer e não valoriza o bem-estar comum. Para desespero do Brasil e do mundo, os egoístas têm maior força política do que os sensatos e influenciam decisões importantes.

Logo a espécie animal que se diz racional e inteligente constrói privilégios entre seus indivíduos. Não é natural, por exemplo, um ser humano viver em condições habitacionais piores do que outro ser humano. No Brasil, 45% da população não conta com saneamento básico (Agência Nacional de Águas). O morador da periferia pula o rio de fezes, urina e gordura que vem do barraco do vizinho pra conseguir entrar em casa. Nos bairros de classe alta, calçadas públicas são transformadas em caminhos mágicos, gramados e arborizados, como nos contos fantásticos da literatura mundial. Esgoto a céu aberto, claro, não se vê.

Quem mais sofre com a pobreza brasileira são os mais jovens. Não temos compaixão nem das 17,3 milhões de crianças e adolescentes até 14 anos vivendo em domicílios de baixa renda. Desses, 5,8 milhões enfrentam situação de extrema pobreza (Diário de Pernambuco). Quase 6 milhões de crianças não sabem o que vão comer hoje e não há uma palavra no meio do povo forte o suficiente contra esse crime.

Só aceita o Brasil desigual quem nutre o desejo de ser um desses raros bilionários. Os 5% mais ricos detêm a mesma fatia de renda que os demais 95% da população (El País). Há quem defenda que a riqueza de alguns não provoca a pobreza de milhões. O fato é que o Brasil é a oitava maior economia do mundo e um dos países de pior distribuição de renda. A riqueza esta aí e não é dividida, produzida ao lado de gente passando fome, enquanto metade dos brasileiros ganha por mês menos do que um salário mínimo. É hora de esquecer a filosofia barata, taxar os ricos e investir em justiça social.

Sabemos no fundo que existe algo errado no Brasil, mas não é a violência a origem desse sentimento, nem mesmo a corrupção, é a pobreza. Encaramos a pobreza da forma que a escravidão foi vista por 300 anos: “Já está aí, deixa, é melhor que as coisas continuem assim”. Quando negamos igualdade de direitos, distribuição de renda, educação, saúde, saneamento, admitimos a pobreza de novo, todos os dias. Não por acaso, a pele antes escravizada é a mais afetada.

Confundimos culpa com responsabilidade. A pobreza é responsabilidade de cada brasileiro, principalmente de quem pensa que a venceu. Onde se vê riqueza, a pobreza foi apenas expulsa para outro lugar, ao invés de superada. O novo lugar ocupado pela pobreza frequentemente é o mesmo bairro, talvez o mesmo quarteirão onde a riqueza habita, tão desiguais, insensíveis e egoístas que somos.

Como não jogar lixo no chão

Como não jogar lixo no chão

O governo Nanci é o maior culpado pela sujeira em São Gonçalo. As lixeiras, quando existem, transbordam. A coleta é irregular e mal planejada, o que leva comunidades inteiras a jogar sacolas de lixo, todos os dias, na esquina mais próxima. O prefeito ignora as empresas que poluem o município livremente, também não multa os gonçalenses sujões. Cada um de nós, entretanto, pode ajudar a manter a limpeza não jogando lixo no chão.

Onde o morador da Favela da Central, no Raul Veiga, vai deixar seu lixo já que o caminhão da coleta não entra na favela? E o morador das ladeiras estreitas, onde nem carro de passeio consegue passar? Nanci deveria sair do Gabinete, no número 100 da rua Feliciano Sodré, entrar na favela, subir as ladeiras e combinar com cada morador o dia e a hora da coleta. O cidadão entregaria seu lixo diretamente ao caminhão ou deixaria seu lixo no coletor mais próximo da sua casa. Sem regularidade no serviço, sem disciplina e vontade pública, e sem coletor nem caçamba de lixo, não vai dar.

Agora vem a nossa parte. Se você terminou de fumar um cigarro, procure uma lixeira e jogue a guimba nela. Se a lixeira estiver cheia demais, algo comum em São Gonçalo, enrole a guimba em um pedaço de papel e guarde no bolso.

Saia de casa com uma sacola plástica dobrada dentro do bolso. Se comer um salgado e não encontrar nenhuma lixeira, não jogue o guardanapo no chão, nem o copo de GuaraCrac. Tire a sacola do bolso, guarde seu lixo nela e leve para casa para entregar ao caminhão da coleta. Vale para qualquer produto que consumir.

Muitos jogam lixo no chão porque “todo mundo joga”. Não é a resposta certa. Você joga lixo no chão porque é preguiçoso. Se todo mundo resolver tomar um banho no imundo Rio Alcântara, na altura da Rua da Feira, você vai tomar também? Não vai porque age com responsabilidade em relação à própria saúde. O lixo é seu, de mais ninguém, e também exige que você seja responsável com ele. Na verdade, cada cidadão do mundo atual deve se preocupar com muito mais do que não jogar lixo no chão. É preciso gerar menos lixo e reciclar o máximo que pudermos.