Os moradores de uma rua fechada com portão e guarita, no bairro Vila Três, abriam o portão, atravessavam a rua e jogavam seu lixo na calçada, em frente a um cruzamento de veículos. Fizeram isso todos os dias durante anos. Ratos se alimentavam do lixo, de dia e de noite, e voltavam correndo para o valão que corta o bairro.

Há menos de dois meses a Prefeitura de São Gonçalo colocou uma placa informando que é proibido jogar lixo no local e disponibilizou um telefone da Secretaria de Meio Ambiente para denúncias, chamado de WhatsApp Verde. O problema foi resolvido! Agora os moradores da rua deixam seu lixo dentro de coletores colocados na portaria. Quando o caminhão da coleta passa, o portão é aberto e o lixo é recolhido. A calçada está limpa e o pedestre pode circular sem tropeçar nos ratos.

Essa atitude mostra que existe no Governo inteligência suficiente para resolver pelo menos os problemas simples do município. Eles não são resolvidos por desleixo. Desde o dia 4 de junho, por exemplo, nenhum funcionário da Prefeitura responde às mensagens enviadas para o WhatsApp Verde.

No início do Governo Nanci as ruas do centro de Alcântara eram varridas aos domingos. Eu passava pelo bairro à tarde e não via lixo espalhado pela sarjeta. A sensação era de dignidade e respeito mútuo entre a população, a cidade e seus governantes. O bairro voltou a ficar largado e hoje está imundo. Por toda a cidade as ruas não são varridas nem o lixo é recolhido com a frequência necessária.

Ainda em Alcântara, embaixo do viaduto tem um mato gigante que está invadindo a calçada. Quando a multidão que circula no bairro passa pelo local, precisa sair da calçada e se arriscar na rua Manoel João Gonçalves pra não bater com a cara no matagal. O mesmo viaduto está cheio de placas e faixas ilegais, algumas de grandes empresas como o supermercado Atacadão.

Não existem problemas mais simples que esses, resolvidos com uma enxada e uma faca, ou respondendo uma mensagem pelo WhatsApp. Muitos problemas de São Gonçalo seriam rapidamente resolvidos com amor e cuidado pela coisa pública. Como o sistema de som clandestino que funciona a poucos metros da Prefeitura e publica anúncios comerciais o dia inteiro. Poucas cidades do Brasil têm o ar e o solo tão poluídos.

O atendimento à população é uma deficiência que poderia ser resolvida com  softwares gratuitos. Quando abre uma reclamação na Ouvidoria, nunca mais o cidadão recebe notícias sobre nela. O site da Prefeitura é confuso e incompleto, chega a ser amador. Ao clicar no link para saber informações sobre a coleta de lixo, o usuário é direcionado para o site da empresa que faz a coleta, numa tentativa de transferir a responsabilidade, e não encontra a informação desejada.

A própria Prefeitura cria problemas para si mesma ou deixa para a próxima gestão. Quando funcionários precisam quebrar o asfalto ou a calçada pra fazer um reparo, não raro deixam o buraco aberto. Obra iniciada no governo anterior, já são quase 128 anos de espera para ver o primeiro teatro municipal gonçalense funcionando. Pagar a dívida de R$ 1,3 milhões com a construtora e concluir a instalação elétrica não é mais complicado do que captar R$ 13,6 milhões para erguer o prédio, construído em 2016.

Publicado por Mário Lima Jr.

Gonçalense, escrevo sobre política e sociedade em defesa da essência humana.

Deixe um comentário

Deixe uma resposta