Governo sustenta Marquise com contratos corruptos

A má educação do povo gonçalense não é a maior responsável pela sujeira nas ruas. A Prefeitura mantém a cidade imunda, de propósito, para assinar contratos de emergência milionários com a Marquise.

Parece absurdo, mas oficialmente comerciantes podem despejar lixo na calçada a partir das 19h, quando deveriam ser obrigados a entregar diretamente ao caminhão da coleta o “verdadeiro” lixo, após separação do material reciclável.

Igualmente chocante é a ausência de lixeiras públicas nos bairros periféricos da cidade. E aquelas instaladas nos locais de grande atividade comercial, como Centro e Alcântara, insuficientes, transbordam de lixo. Sem coleta, a sujeira se acumula no chão, em volta dos postes – requisito para outro contrato emergencial onde a falta de licitação nos obriga a pagar caro por um serviço de má qualidade.

São Gonçalo é tão pobre ao ponto de não ter dinheiro para adquirir lixeiras? Dificilmente, visto que foram pagos à Marquise R$ 26 milhões por apenas 6 meses de coleta. E desde 2001 é assim: a cidade é mantida suja, o governo municipal não prepara adequadamente a licitação e engorda a conta da Marquise às nossas custas; o cidadão atento percebeu no carnê do IPTU que a taxa de coleta de lixo é altíssima, maior do que o próprio imposto predial de alguns imóveis.

Como o dinheiro sai do nosso bolso, exijamos a conclusão imediata do edital de licitação, abertura de processo judicial contra a Marquise pelo péssimo serviço prestado e a proibição de participar de novas licitações pelos próximos 100 anos.

Não é exagero, tente ligar para o serviço de atendimento ao cliente da empresa. Ela sacaneia o povo gonçalense sistematicamente e nem ao menos atende ao telefone para justificar sua ineficiência.

Se nada for feito agora, em dezembro novamente corruptos da Prefeitura e da Marquise vão conspirar durante o almoço: “Está na hora de assustar, suspender a coleta, e quando a lixarada começar a feder nas esquinas, a gente faz outro contrato superfaturado, pega o mesmo do ano passado e altera para 2016. O povo tem memória curta.”.

Publicado por Mário Lima Jr.

Gonçalense, escrevo sobre política e sociedade em defesa da essência humana.

Participe da discussão

1 comentário

  1. Ótima observação! Essa morosidade é típico de governo que sabe que não vai ser fiscalizado e tem certeza da impunidade. Vale ressaltar que nossos Vereadores são cúmplices em tudo isso já que não cumprem sua função básica que é a de fiscalizar o executivo.

Deixe um comentário

Deixe uma resposta