Alucinações no Alto do Gaia

Não bebi, não fumei nem usei nenhum tipo de alucinógeno, mas fiquei doidão a 534 metros de altitude no Alto do Gaia, ponto mais alto de São Gonçalo, e me apaixonei de vez pela cidade.

Assim que coloquei o pé no topo da montanha, acima do voo dos urubus, percebi que São Gonçalo é maior que a sujeira urbana e o descaso público, infinitamente maior. A cidade é bela. Verde, calma, ventilada. Contra o bom senso, construíram uma merda apertada de concreto e pouco asfalto em parte do território onde a maioria da população, desesperançada, vive.

Depois do primeiro ensinamento do Gaia, as alucinações começaram. Na minha frente a quilômetros de distância, lá embaixo, vi Neilton Mulim cair no choro dentro do gabinete do prefeito, desistir da reeleição e pedir perdão ao povo pelo prejuízo que causou com seu governo criminoso. Seus apoiadores na Câmara de Vereadores realizaram logo após a expiação a Audiência Pública da Vergonha e do Arrependimento. Um grande feito sem mais ações concretas.

São Gonçalo ao alcance dos olhos, virei a cabeça para Neves, depois olhei o Colubandê, e vi construídos os Centros de Esporte e Lazer Unificados, os maiores do Brasil, como previa o projeto inicial. Os jovens desempregados abandonavam os bares onde antes se embriagavam e trocavam futilidades o dia inteiro e entravam nos centros com skate e livro na mão. Vi bibliotecas públicas espalhadas em cada distrito, o bairro Sacramento urbanizado, acessível a cadeirantes.

No Raul Veiga as crianças iam felizes à escola municipal do bairro, carinhosamente chamada de Rato Velho. Havia atividades para desenvolvimento de jogos digitais e aprendiam técnicas de comunicação e gravação de vídeo para a Internet. Gamer e youtuber são as profissões dos sonhos dos adolescentes de hoje, os ladrões de merenda precisam saber.

Próximo a linha do horizonte, o mais longe que meus olhos alcançavam, o antigo lixão de Itaoca tinha virado o maior centro de reciclagem da América Latina. Atendia ao município, ajudou a resolver a questão do lixo espalhado nas ruas, e recebia material das cidades vizinhas, gerando renda e empregos.

Desejo do trabalhador, avistei uma linha nova cortando a cidade de Neves a Guaxindiba e tive certeza de que era uma alucinação provocada pelo poder transformador do Gaia: era a Linha 3 do Metrô.

Na descida do Alto do Gaia, a umidade refrescante da floresta gonçalense guardava borboletas gigantescas de asas pretas nas bordas e azuis no meio, há mais de 50 anos não vistas em bairros como Alcântara. Aquilo era real, bem como o pé carregado de laranja-da-terra, na beira da Estrada do Sítio da Pedra, que fiz questão de tocar. O Gaia nos diz: “Recomecem, há tempo e espaço suficientes para desenvolvimento inteligente em São Gonçalo”.

Tem turismo em São Gonçalo

Cento e sessenta pessoas reunidas na praça de Santa Isabel, às 8h da manhã de um domingo de sol, para visitar as Grutas de Caulim provaram – mais uma vez – que existem passeios prazerosos em São Gonçalo. O que falta é incentivo à visitação e preservação por parte do poder público.

Santa Isabel foi transformado no dia seis de março. Ao lado das pilhas de lixo disputadas por porcos e urubus, gonçalenses dos cinco distritos tomaram as ruas do bairro e prometeram mais do que não sujá-lo, também recolher a sujeira que encontrassem na trilha até as cavernas. Respeito pela natureza da cidade era a orientação principal do grupo. Com o devido esclarecimento, inclusive o indivíduo que deposita sua sacola de lixo na esquina e segue calmamente em direção à academia pode se tornar um cidadão.

A partir da praça, caminhamos sem dificuldade, além do sol intenso, até o ponto final da linha de ônibus municipal 01. Neste ponto a São Gonçalo eletrizada como conhecemos termina (ou começa na direção contrária, como indica a numeração da linha). Vemos um largo com três ruas, três caminhos, um mais misterioso que o outro, o primeiro à esquerda, outro no meio e o último à direita, parecem as portas do destino que nos deparamos ao longo da vida. O asfalto acaba, há morros e árvores e mais animais, bois, muitos bois. A rua do lado direito, de terra batida, nos levou ao conjunto de 22 cavernas, com aproximadamente 10.000m² de extensão e salões com mais de 30m de altura, de acordo com a Prefeitura.

O primeiro córrego apareceu após alguns minutos andando, já suados, o mato verde, vigoroso, dominou a paisagem e o boné para proteger o rosto e alguns goles de água foram necessários. Qualquer pessoa desmotivada desistiria neste momento apesar da trilha dentro da mata ainda não ter começado: a poeira subia a cada passo, o sol se fortalecia e a paisagem assumia definitivamente feições rurais. Ninguém desistiu, nem entre idosos e crianças, a multidão caminhava firme, extensa, como uma procissão religiosa ou manifestação política, ansiosa pelo contato íntimo com a cidade. Perceber este sentimento generalizado de amor por São Gonçalo foi a maior emoção do passeio.

Depois de aproximadamente duas horas superando trechos íngremes, cansativos, escorregadios e estreitos, cortes no corpo feitos pelo mato e clima abafado – iniciantes tiveram bastante paciência – na primeira gruta vista ecoaram os assovios, gritos, urros e a alegria. Descobríamos que as cavernas de Santa Isabel são reais, com direito à escuridão total, morcegos e piscinas.

Experiências como esta merecem mais divulgação das esferas de governo. Mais do que nota publicada no site da Prefeitura ou posts em redes sociais. Panfletagem com dados sobre a formação do complexo e pontos de informações turísticas, no mínimo. Antes que Maricá possua as grutas na cara-de-pau, como Niterói tomou Itaipu, antes que estejam tão pichadas quanto as principais vias gonçalenses.

Longe do centro urbano poluído de calor infernal, me refresquei na água cristalina e gelada que escorria do teto de uma pequena gruta. Se alguém me contasse, não acreditaria.