Nascido em Porto Alegre, Brizola Neto (PDT) veio morar no calor de Alcântara há cerca de um ano, no meio do povão, dos copos de Guaravita espalhados pelo chão e do odor desagradável do rio que cruza o bairro. Não, ele não veio fazer trabalho voluntário limpando o rio fétido. Carlos Daudt Brizola, como foi batizado, é candidato a prefeito de São Gonçalo. Existe nessa cidade algo valioso, pouco conhecido por seu povo, mas que desperta a cobiça de partidos políticos e indivíduos que aqui nunca recolheram um copo do chão.

Carlos tem a fala contínua, jovial e sobrenome famoso, que o transforma em divindade para muitos simpatizantes do PDT. Foi deputado federal pelo Rio de Janeiro e ministro do Trabalho durante o governo Dilma. Apesar da experiência política, sua candidatura não apresenta um projeto original para São Gonçalo. Ela se baseia em lembranças de conquistas passadas do avô Leonel e na aliança com a ex-prefeita Aparecida Panisset, causadora dos maiores prejuízos sociais e culturais já vistos na história do município.

O material da campanha de Brizola Neto confirma a fragilidade de sua candidatura. Nos adesivos para vidro traseiro de veículos, quem aparece ao lado do candidato é Aparecida Panisset em vez da verdadeira candidata a vice-prefeita, Marilena. Irmã de Aparecida, Marilena teve o primeiro nome omitido na opção para concorrer apresentada ao TSE.

Além de se aproveitar de Marilena na busca gananciosa por votos, Brizola Neto e o PDT não se deram o trabalho de fundamentar e apresentar um documento digno contendo as propostas de governo. Publicaram apenas duas páginas incoerentes e tortas, provavelmente escritas às pressas, absurdamente distantes da complexidade local.

Para conquistar o voto dos gonçalenses e seus tesouros, o forasteiro joga suas fichas: o grande Brizola, que não está mais entre nós desde 2004, e Aparecida. Por que o povo pensaria que o apoio de alguém impedido de se candidatar pela Justiça tem algum valor?

Brizola Neto aponta problemas antigos com falso ódio, o esgoto não tratado, a falta de infraestrutura, e outras deficiências que permaneceram mesmo após oito anos de governo Panisset.

A natureza humana recomenda acolher o forasteiro. Entretanto, nossos rios são chamados de valas de esgoto, não temos água para oferecer. Alguém tão famoso, tão importante, certamente sabe disso. Brizola Neto trouxe o próprio cantil e finge sentir nossa dor.

Publicado por Mário Lima Jr.

Gonçalense, escrevo sobre política e sociedade em defesa da essência humana.

Deixe um comentário

Deixe uma resposta