A cinco meses do término do seu governo, graças à passagem da Chama Olímpica, a “tocha” do prefeito de São Gonçalo, Neilton Mulim, enfim acendeu. Explico: o município se movimentou como nunca antes nesta gestão, varreu, pintou e asfaltou com velocidade para receber o símbolo que percorreu 329 cidades brasileiras.

Boa parte do povo gonçalense não gostou desta demonstração tardia de virilidade do prefeito. Pudor ofendido, quiseram apagar a tocha, olímpica, esperando reduzir o fogo dele. A Chama, na verdade, poderia ter vindo bem antes e mantido o pacato governo Mulim ativo todos os dias.

A eficiência da organização surpreendeu, foi chamada de “maquiagem” para esconder os problemas de São Gonçalo. Aprovando e discordando, como deve ser numa democracia, o protagonismo assumido pela população presente, estimada em 100 mil pessoas pela Prefeitura, é outro aspecto que tornou o dia dois de agosto especial.

Havia dois tipos de pessoas em Alcântara, ponto de partida da tocha oficial: aqueles que reprovavam aos gritos o evento e os estupefatos. Quem insistia em aprovar era insignificante, pequenos comentários isolados.

Os manifestantes jogaram bolinhas de água nos capacetes negro-foscos da Polícia Militar, que respondeu com bombas de efeito moral, teve empurra-empurra e desespero de crianças e pais (os primeiros a não ver a Chama). Impossível sentir o espírito olímpico acuado pela multidão e por deficiências graves na Saúde, Educação, Infraestrutura, Transporte etc.

Quando o povo sai às ruas em uma cidade definhando sob um governo ruim, o choque entre as forças de segurança e enormes grupos de protesto é inevitável. Felizmente ninguém se feriu gravemente e tivemos aprendizados.

O prefeito Mulim aprendeu a não subestimar o povo. Colocar a Tocha Olímpica para desfilar em um dos trechos mais estreitos e populosos da cidade foi ingenuidade. Os gerentes das lojas de Alcântara aprenderam que centenas de pessoas aglomeradas na frente do estabelecimento nem sempre é positivo e fecharam as portas por medo de roubos e vandalismo.

Aos trancos e barrancos, literalmente, a Tocha e a Chama passaram mobilizando o gonçalense e o poder público ineficiente que queria fazer uma festa para o povão irritado. Encontro valioso para São Gonçalo.

Publicado por Mário Lima Jr.

Gonçalense, escrevo sobre política e sociedade em defesa da essência humana.

Participe da discussão

2 comentários

  1. Precisamos que a prefeitura faça como se a tocha passasse todo dia e que a população se una para reivindicar seus direitos. Não precisamos esperar outra tocha para isso.

    1. Sim, Raphael, um motivo de mobilização. Motivos até temos bastante. Falta liderança.

Deixe um comentário

Deixe uma resposta