Para ser vereador, basta ser camelô de sucesso

Para ser vereador em São Gonçalo, basta conquistar notoriedade como miliciano, comerciante ou camelô. Não é exigido qualquer desenvolvimento intelectual nem ideologia política, apenas a protocolar filiação partidária.

Alguns vereadores mal sabem escrever. Em seus perfis nas redes sociais, cometem erros grosseiros de português, demonstrando ignorância e incapacidade de legislar em defesa dos interesses comuns. Para disfarçar a própria inutilidade, há despudorados que nesta época do ano oferecem cestas de Natal aos eleitores, fingindo ser Papai Noel. Jamais poderão tirar da lama o povo que o elegeu, tamanho o despreparo.

Curiosamente, o indivíduo sabe que elege bandidos e incompetentes, mas vota seduzido pelas promessas, porque deseja a todo custo o nivelamento da rua sem asfalto (4 vereadores declararam ao TSE possuir retroescavadeira), o emprego prometido pelo candidato; estúpida ambição cega o cidadão gonçalense. E o que leva milicianos e camelôs a se candidatar? Salário de mais de R$ 9 mil, troca de favores, propina, acordos oportunistas…

Prova recente da falta de interesse por soluções concretas para os problemas enfrentados foi a quase nula participação no debate sobre política cultural realizado na última quinta-feira, onde só um vereador havia confirmado presença. E ainda o almoço com o governador do Estado ocorrido dia 04/12/2014, quando se comportaram como estudantes do Ensino Fundamental visitando o Palácio Guanabara, sorrindo ao lado do governador enquanto faltam poucos dias para 2014 acabar e não temos em solo gonçalense sequer um metro de trilho da Linha 3 construído.

Creio que menos de 5 vereadores realmente trabalham pelo bem da cidade. Entre eles há quem tenha histórica militância política, boa formação escolar e intimidade com as novas tecnologias e não necessariamente aproveitaram a fama da sua atividade comercial para se eleger. Citar seus nomes me envergonharia como cidadão visto que representam apenas 19% do total do corpo da Câmara, além de caracterizar elogio gratuito.

Quanto ao povo de São Gonçalo, também nele nenhuma ideologia política se destaca, nenhum legítimo representante ou líder, aqui são raras até simples associações de moradores, fundamentais para o desenvolvimento dos bairros. No entanto, temos a essência do povo brasileiro, resiliência e criatividade, e a viciada classe política não é nosso reflexo exato, ela revela somente a pior parte de nós.

Publicado por Mário Lima Jr.

Gonçalense, escrevo sobre política e sociedade em defesa da essência humana.

Deixe um comentário

Deixe uma resposta